Quanto que vale um idioma?

Estamos acostumados a medir o valor econômico dos objetos e não do idioma em si.

This video is hosted on the YouTube video platform. Therefore, playing this video requires embedding the YouTube video player by YouTube LLC, USA which belongs to Google LLC, USA. By accepting, you agree that we embed their video player, which is able to set third-party cookies, including those used for advertisement and tracking, and may transfer your browser information and IP address to Google servers. For more information, see Google's privacy policy.

Read this article in: Deutsch, English, Português

Você escutou direito. O valor econômico de um idioma pode ser medido. Isso soa estranho? Estamos acostumados a medir o valor econômico dos objetos a que um idioma dá nome, e não do idioma em sí. 

O valor econômico da língua foi descoberto pelo Instituto Superior de Ciência do Trabalho e da Empresa (ISCTE) em Portugal. Ele mostra o quanto uma pessoa tem de dominar uma língua para exercer uma determinada atividade e exibe o quanto dessas atividades estão direta ou indiretamente ligadas ao PIB.

O índice foi calculado levando em conta a importância relativa da comunicação e a compreensão em vários setores da economia. O PIB de um determinado setor foi multiplicado com o peso relativo de uma atividade, com teor mais elevado de comunicação, para compreender o valor agregado do idioma na economia.  

Sendo assim, atividades econômicas que requerem um maior conhecimento da língua foram privilegiada e as atividades que requerem menos conhecimento da língua, como tarefas que poderiam ser feitas por trabalhadores de outras nacionalidades e competências linguísticas, não foram consideradas.

O conteúdo do idioma no segmento de cultural é muito rico. Portanto, o domínio da língua é crucial para atividades nos setores cultural, educacional e comunicacional. "Em telecomunicações, precisamos de 100% da língua para se comunicar", disse José Paulo Esperança, coordenador do estudo.

Além dessas atividades, há setores em que o serviço é oferecido em uma determinada língua, como na administração pública. O setor secundário, como a indústria, por exemplo, gera um conteúdo maior de língua para a economia como um todo. Por último vem o setor primário, onde as competências linguísticas são muito baixas. Na Alemanha, os trabalhadores agrícolas que colhem morangos e aspargos, seriam um exemplo para isto. Essas atividades são realizadas por trabalhadores estrangeiros, que na sua maioria, não têm conhecimento da língua.

De acordo com o Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária em Leipzig, há entre 6500 e 7000 idioma em todo o mundo. Esta diversificação idiomática se concentra particularmente em torno do equador. África, América do Sul e Ásia, são as regiões onde se fala muitas línguas diferentes. A densidade linguística é maior no Sudeste Asiático. Lá há muitos países pequenos, com muitas pequenas ilhas povoados e cada aldeia tem a sua própria língua, falada apenas nestes lugares.

Quanto maior o número de falantes, nativos ou não, maior é a recompensa por dominar determinada língua. Os cientistas acreditam que no futuro, o peso de um idioma deve ser avaliado por fatores econômicos e científicos e não só pelo número de falantes. Como os idiomas mundiais vão se desenvolver é uma questão de tempo. Temos de esperar para ver se os cientistas estavam certos com a sua suposição.

Wilgen e o time da alugha!

#alugha

#doitmultilingual

#alughaeducation

More articles by this producer

This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website. Learn more in our privacy policy.