<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1047100852003296&ev=PageView&noscript=1" />
O que a música faz com os nossos sentimentos?

O que acontece no nosso cérebro quando escutamos música? Será que a música mexe com os nosso sentimentos, nos levando a sentir diferentes sensações?

„Quem canta os males espanta, a gente é feliz. Tal qual um pássaro livre no ar. Pensando bem nós temos algo em comum, porque nascemos só pra cantar“. Os cantores brasileiros Chitãozinho e Chororó têm razão em afirmar que a música pode mexer com as nossas emoções?

O que acontece no nosso cérebro quando escutamos música? Será que a música mexe com os nossos sentimentos, nos levando a sentir diferentes sensações? Para responder essa pergunta conversamos com o Professor Eckart Altenmüller, diretor do Instituto de Psicologia e Medicina Musical da Universidade de Música, Teatro e Mídia de Hannover. Sua especialidade é o sensório-motor da música, doenças musicais e o processamento emocional da música. 

Quando assunto é a sonoridade de uma música, a maioria das pessoas estão de acordo em classificá-las quanto a sonoridade que pode ser alegre ou triste. Mas não há nenhum consenso quando o assunto é o estímulo emocional ao escutar uma música.

Perspectiva cognitiva

Na psicologia musical existem duas opiniões. Há uma distinção entre o ponto de vista cognitivo e emotivo. Os pesquisadores cognitivos argumentam que música alegre ou triste não cria emoções nos ouvintes. Ela apenas seria classificada e avaliada, desta forma, por eles. No entanto, Altemüller explica que a avaliação musical poderia despertar emoções. Por exemplo, a reprodução monótona ou imprecisa de uma música habitualmente alegre, classificada como obra-prima, pelos amantes da música, pode desencadear emoções como raiva, frustração e tristeza, se comparada com o conhecimento de outras interpretações.

Perspectiva emotiva

Em contrapartida, os emotivos argumentam que a música gera emoções diretas. Um exemplo extremo para isso, seria a reação repentina a sons dissonantes. Essa reação acontece por meio das redes neurais do tronco cerebral. Fortes emoções podem surgir ao associar acontecimentos importantes da vida com uma determinada música. A construção emotiva da música, a realização ou o engano musical de expectativas também são discutidas como um desencadeador de emoções dos ouvintes. 

Centros de recompensa do cérebro

Há muitas coisas que nos deixam felizes. Principalmente quando algo sai melhor do que o esperado. David Huron descreve em seu livro "Sweet Antecipation" que uma certa satisfação emocional surge quando expectativas são atendidas.

Se essas expectativas musicais forem disfarçadas inteligentemente, por exemplo por um toque harmonioso, por um timbre especial, pelo uso de um novo instrumento ou um súbito silêncio, o resultado pode ser um impacto emocional na forma de arrepios.

Esta reação está ligada a ativação do centro de recompensa do cérebro. Ao tocar um instrumento ou escutar música o cérebro libera endorfina. Esta é a endorfina do pŕopio corpo, que também é produzida quando nos alimentamos, fazemos esportes, sexo e usamos drogas. 

Genética básica da humanidade 

Música mexe com as nossas emoções porque ela faz parte da composição genética básica dos seres humanos. Nos últimos milênios, a música foi incessantemente refinada, mas em sua essência ela é um antigo sistema de comunicação eficaz com numerosos efeitos positivos para nós, os humanos.

Música é um playground seguro para novas experiências auditivas, ela favorece a sincronização e a ligação entre os grupos, o vínculo entre mãe e filho e aquisição de uma nova língua. Além disso, a música melhora o bem-estar e às vezes produz sensação de felicidade.

 

Aprender idiomas com música

Com música é possível aprender um idioma de maneira bem fácil. Imagine que você ama uma música e que você saiba cantar esta música de cor. Você conhece todas sílabas, todas palavras…bom, você muda o idioma e escuta esta música em uma outra língua. O que acontece? Uma canção desencadeia emoções e muitas vezes está associada a uma lembrança especial. Você entende o que é cantado no outro idioma e se você escutar esta canção repetidamente, você irá aprender as palavras no idioma estrangeiro. Nós temos muitos vídeos de músicas na alugha para você experimentar. 

Há algumas pesquisas interessantes sobre a relação de jogos com a prevenção de Alzheimer! O aprendizado de línguas estrangeiras também é um enorme desafio para o cérebro e ajuda a mantê-lo em forma. 

Nunca é tarde para escutar música, tocar um instrumento ou aprender um idioma. Nós temos muitos motivos suficientes para fazer isto! 

#alugha

#alughaeducation

#doitmultilingual