Digitalização - Empresas alemãs preferem trabalhar mais com startups do que corporações norte-americ

O mundo dos negócios está em transição. Vários obstáculos devem ser superados. Veja porque as startups exercem um papel importante para a digitalização das empresas alemãs.

This video is hosted on the YouTube video platform. Therefore, playing this video requires embedding the YouTube video player by YouTube LLC, USA which belongs to Google LLC, USA. By accepting, you agree that we embed their video player, which is able to set third-party cookies, including those used for advertisement and tracking, and may transfer your browser information and IP address to Google servers. For more information, see Google's privacy policy.

Read this article in: Deutsch, English, Português

A importância da digitalização e a necessidade de se adaptar a conversão digital são questões relevantes para grandes corporações alemãs. Mas colocar isso em prática não é tão fácil. Qual impacto a digitalização tem sobre as startups?

Para entender esta pergunta, nós precisamos dar uma olhada no estudo da etventure sobre “Digital transformação e trabalho conjunto entre Startups e grandes corporações na Alemanha e USA” (Digitale Transformation und Zusammenarbeit mit Startups in Großunternehmen in Deutschland und USA). 

Para 50% das grandes empresas alemãs a digitalização é um dos três principais. Nos EUA, a questão tem mais importância, ela aparece em 66% dos casos entre os três temas principais.

Os obstáculos de digitalização na Alemanha ficam por conta da falta de orientação do usuário, inexistência de foco para a implementação, ausência de velocidade, escassez de flexibilidade e pouca experiência. A defesa de estruturas existentes e o medo da redução de postos de trabalho também dificultam o processo. Vale lembrar que todos estes obstáculos desempenham um papel secundário nos Estados Unidos.

Para não perder o barco, das mudanças digitais, as empresas alemãs estão buscando, cada vez mais ajuda externa, como aconselhamento e trabalho conjunto com startups.

No momento, 35% das empresas alemãs trabalham em conjunto com startups, nos Estados Unidos, esta cooperação é subestimada, e só ocorre em 14% dos casos. Mais oito por cento das empresas alemãs planejam trabalhar juntamente. 

Grandes corporações na Alemanha enxergam este trabalho associado como uma oportunidade (63%). Nos EUA apenas 46%, das empresas acreditam na utilidade desta cooperação.

Uma forma comum de cooperação na Alemanha é o networking entre funcionários de  startups e grandes companhias (72%). Em 38% dos casos, onde onde há cooperação com startups, há um envolvimento direto. Outros 27% criaram programas de Fonds e Venture.

Em 90% dos casos, o interesse principal dessa cooperação, por parte das grandes empresas alemãs, é para obter acesso a novas tecnologias (88%) e desenvolvimento de inovação rápida (87%).

Afinal, 71% acreditam que, trabalhando com startups, eles podem vir a oferecer produtos melhores para seus clientes. Quase metade de todas as empresas na Alemanha (47%) gostaria de subcontratar startups para desenvolver suas pesquisas e desenvolvimento.

Dificuldades em trabalho conjunto 

As empresas alemãs enxergam a falta de compreensão das startups para com os processos em grandes empresas como uma das dificuldades do trabalho conjunto (82%), assim como diferentes requisitos de segurança (80%) e culturas corporativas divergentes (73%).

Mesmo assim, a cooperação das startups convence as grandes corporações alemãs. Empresas que já trabalham com startups (76 %), gostariam de expandir ainda mais esta cooperação futuramente.

A cooperação entre as empresas alemãs e startups tornou-se um fator estratégico para compensar a falta de velocidade, a inexperiência de implementação e a ausência de experiências na área digital. Para as corporações norte-americanas esta cooperação é desinteressante.

"A partir disso, pode se deduzir que na Alemanha, a digitalização está associada principalmente com otimização de processos e ganhos de eficiência, além disso, nos Estados Unidos, ela também está associada ao crescimento por meio de novos modelos de negócios digitais", explica Philipp Depiereux, fundador e CEO da Consultoria digital  Startup-Schmiede etventure.

 

More articles by this producer

This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website. Learn more in our privacy policy.