O novo marketing de influência com inteligência artificial

E se em breve o posto dos influenciadores digitais em carne e osso fosse tomado por seres virtuais que foram milimetricamente programados usando computação gráfica, inteligência artificial e machine learning?

Read this article in: Deutsch, English, Português

Estimated reading time:4minutes

Parece estranho, mas isso já existe. Eventos como O SXSW apontam a questão como algo completamente possível e crescente em um futuro que já começou.

Influenciadores humanos existem aos montes nas mídias sociais. Eles geralmente não iniciaram tendo a intenção de influenciar ninguém, mas aos poucos, seus gostos pessoais, estilos de vida e indicações (naturais ou pagas) acabam influenciando muita gente. Mas e se agora a realidade mista for tão natural a ponto de não existirem barreiras entre o que existe de verdade ou não? Aliás, o que significará "verdade" e "real" daqui em diante?

Lil Miquela é um destes exemplos. Uma simulação virtual no perfil do Instagram dela mostra atualmente mais de um milhão de seguidores. Seu rosto é de uma boneca, mas conteúdo de alta qualidade é produzido por quem a controla. Nas fotos, looks muito bem planejados e uma legião de fãs presente acompanhando e curtindo seu estilo de vida. Sim, Lil não apenas posa roupas e sapatos, mas tem gostos, estilo de música preferido e é engajada em assuntos como política, feminismo, refugiados, entre outros.

São selfies, dicas de maquiagem, bastidores do que está vivendo em seus stories... uma verdadeira celebridade nas mídias sociais e ela nem existe de verdade. Lil faz referências a locais e marcas, tagueados em suas fotos e aparece ainda em fotos com pessoas, modelos, designers e músicas de verdade. Ela também está em outras mídias sociais.

Lil é também cantora e possui um hit com mais de 400 mil visualizações no Youtube, chamado Not mine. Isso nos lembra o Gorillaz, que também não existia de verdade e se tornou um hit há alguns anos, lembra?

Marketing de influência com inteligência artificial

Ao usar a inteligência artificial damos às máquinas a capacidade de fazer coisas que normalmente exigiriam inteligência natural (humana). A inteligência artificial pode assumir várias formas, dentre elas, a aprendizagem de máquinas (ou seja, ensinar o computador a fazer uma coisa para que a partir disso ele faça previsões ). Pode ainda envolver raciocínio, como quando o computador extrai inferências e conclusões a partir das informações fornecidas a ele para resolver problemas.

O marketing de influência com inteligência artificial não necessariamente se apoia no uso de simulações, como o caso de Lil Miquela. Ele também fazer diversas outras coisas, dentre elas, a possibilidade de automaticamente a máquina reconhecer objetos em uma foto para classificá-las e ordená-las bem mais rápido do que um humano faria. Além disso, a partir de dados é possível fazer o seguidor perceber o influenciador a partir de suas preferências. O influenciador pode ainda ser analisado em relação às campanhas anteriores que fez, o sucesso delas, produtos anunciados, resultados, comentários de seguidores, dentre outros, para assim fazer decisões melhores em próximas campanhas.

A própria mídia programática foi impulsionada pelo fato de computadores poderem tomar decisões a partir de uma enorme quantidade de dados que um ser humano nunca poderia processar. Hoje, campanhas usando influenciadores exigem investimento de tempo e diversas análises para entender se ele é o melhor para um campanha, mas a partir de agora avançaremos em direção à automatização desse processo e a inteligência artificial terá uma enorme responsabilidade nisso.

Os próximos influenciadores não serão necessariamente robôs ou seres virtuais, mas também pessoas, que a partir de análises preditivas do computador poderão ser aconselhadas a falar sobre temas que mais engajam seus seguidores. Ou seja, o futuro do marketing pode estar na possibilidade de emoções serem desencadeadas a partir de experiências.

O comercial de 2015 da Duracell com o superstar da NFL Derrick Coleman é um exemplo de uma marca que faz parceria com um influenciador para invocar a emoção. Coleman, que é surdo, usa baterias Duracell para alimentar seus aparelhos auditivos, uma prova de que influenciadores já estão usando o marketing emocional para mostrar suas vidas e interesses, criando uma conexão exclusiva para envolver pessoas.

Hatsune Miku: uma cantora projetada

Mas o culto a um ser que sequer existe de verdade não é exclusividade de Lil. Hatsune Miku é uma vocaloid dublada por um sintetizador de voz, desenvolvido pela Crypton Future Media. Seu visual é de uma garota de 16 anos de idade cujo cabelo é azul-piscina, usado em duas lonas maria-chiquinhas. Sua voz é sintetizada pela dubladora japonesa Saki Fujita e Hatsune já se apresentou em vários shows usando uma projeção 3D. Seu primeiro show ao vivo aconteceu no Saitama Super Arena em 2009.

A voz de Hatsune Miku foi criada utilizando amostras vocais da dubladora Saki Fujita em muitos tipos de tom controlado. A personagem foi lançada em 2007 e posicionada como uma diva android do mundo em futuro próximo.

Diante de tudo isso podemos concordar que a tecnologia é capaz de revolucionar o mercado do marketing de influência, seja fornecendo dados para que agências possam escolher melhores os humanos influenciadores que atuarão em uma campanha ou mesmo fornecendo insights a partir de dados para conectá-los melhor ao público. Ou, ainda, criando seres que sequer existem no mundo real, mas que são capazes de arrebatar multidões e influenciar seus comportamentos e hábitos de compra. O que o futuro nos reserva mais?

Mais sobre a autora 

Flavia Gamonar é top voice do Linkedin, speaker, docente, doutoranda em mídia e tecnologia e coautora do livro Disruptalks. Este artigo foi publicado inicialmente no Linkedin. 

Fique à vontade para comentar e compartilhar! Você tem interesse em escrever um post? Envie um e-mail pra gente por e-mail.

Obrigada pela leitura e até a próxima!

Wilgen e o time da alugha

#alugha

#doitmultilingual

#FlaviaGamonar

More articles by this producer

Videos by this producer

archos CEO

2020 was particularly difficult because of the Covid 19 crisis, however, our team has shown tremendous resilience and in 2021 Archos intends to surprise with new innovations and an improved business model. We will invite our shareholders in early Q2 2021 for a presentation of our strategy plan.