In & Out

Talvez você não seja sócio, talvez você não seja dono, talvez você não seja associado, muito menos diretor. Ainda assim, você é um representante da empresa em que trabalha.

Read this article in: Deutsch, English, Português

Estimated reading time:3minutes

Assumir a responsabilidade é hoje, ao mesmo tempo, fora de moda e totalmente in, como diria a revista Elle. In é a accountability, é dizer que se é responsável; é colocar no LinkedIn que topa desafios e responde por eles; é fazer MBA e terminar o TCC sozinho. Out é efetivamente ser responsável, sem ter que se dizer que é; é topar o risco e depois ajudar a limpar a meleca que sobrou quando tudo dá errado. Out é assumir que fez besteira, é não se fazer de vítima, é não culpar o tempo ou a Olimpíada. Out é dizer para a namorada “desculpa, amor”. In é causar um incidente internacional para esconder traição. Infelizmente. 

Todo o profissional se auto descreve como responsável, mas quando a oportunidade de colocar a afirmação em uso aparece, raramente fica um para a tarefa. É muito mais fácil dizer “sou responsável” quando estou dando conta de todo o meu trabalho, tudo está saindo do jeito que eu quero e a empresa está elogiando. Muito fácil dizer que sou responsável quando vou assumindo tarefas dos outros para crescer, vou deixando de delegar para brilhar, vou avançando como um trator sobre a competição. Difícil é dizer sou responsável quando tudo desmorona na minha mão, quando o chefe procura um culpado e todos os dedos apontam para mim. Aí não sou mais responsável. A culpa é do outro. A culpa é da empresa que me dá trabalho demais. A culpa é do meu chefe, que cortou três cargos e jogou todo o trabalho em cima de mim. Como diria o sargento do exército: “explica, mas não justifica”.

O nadador Ryan Lochte era um garoto. Fez uma molecagem, cometeu um erro, fez besteira. Teria recebido apenas um fora da namorada e um puxão de orelha do pai, não fosse um detalhe: ali, naquele momento ele não era um garoto. Ele representava um país, visitando um outro país anfitrião com sérios problemas de auto estima e lutando muito para receber bem a todos. Ali ele representava uma empresa, um patrocinador. Representava um valor, o espírito olímpico. Ali ele não era um garoto, era imenso. 

Assim também é você. Quando atende um telefone, você não é o fulano. Você é o fulano da empresa tal. Cada besteira que você faz, não é só você quem faz, é também a empresa. Cada grosseria ao telefone, cada e-mail não respondido, cada arrogância, vão resultar em comentários do tipo “ah, a empresa tal só tem gente grossa, arrogante, que não responde e-mail”. A construção da imagem vai muito além de alguns marqueteiros reunidos numa sala. Por isso que os rankings de melhor lugar para se trabalhar começam a ter tanta importância. 

Se você tem a ilusão de que não é parte disso, repense. Suas ações, sua postura, suas escolhas mostram ao mundo quem é essa empresa. Não foi puramente por bondade cândida que a Speedo doou US$50 mil para uma ONG que atende crianças em situação desfavorável no Rio. Foi porque um mero cancelamento de contrato do patrocínio a Ryan Lochte não blindaria a empresa da mancha na reputação do seu atleta. 

Construa seu trabalho pensando na imagem que você gostaria de passar se a empresa fosse sua e no que está disposto a assumir quando a ideia de jerico brotar. Se não consegue pensar antes de agir, contrate um coach. A tal da desculpa esfarrapada ou a habilidade de apontar dedos não combinam com um mundo em que a imagem vale mais do que o que a empresa produz. Totalmente out. 

Sobre a autora

Master Coach pela Sociedade Latino Americana de Coaching, Senior Coach pelo Integrated Coaching Institute, Membro do Coach Team da World Business Executive Coaching Summit e Kahler Trainer, Adriana Gattermayr trabalha com coaching executivo, de times e de carreira, entre outros. Certificada pela International Coaching Association e com MBA em Gestão e Empreendedorismo Social, ministra cursos e palestras nas áreas de gestão de pessoas, liderança, ética e gentileza corporativa, além de aplicar testes de perfil comportamental, de competências e de inteligência emocional. Mais informações pelo email ou no site

Se você também tem um artigo legal, mande sua sugestão pra gente: gastbeitrag@alugha.com

Obrigada pela leitura! 

Wilgen e o time da alugha! 

#augha

#doitmultilingual

#AdrianaGattermayr

More articles by this producer

Videos by this producer

archos CEO

2020 was particularly difficult because of the Covid 19 crisis, however, our team has shown tremendous resilience and in 2021 Archos intends to surprise with new innovations and an improved business model. We will invite our shareholders in early Q2 2021 for a presentation of our strategy plan.